Seis meses de muita saudade

Home  /  Comportamento  /  Seis meses de muita saudade

Seis meses de muita saudade

Post type Image 28
jan,2017
Author Comment
Blog Post Like
2

Pois é, já faz seis meses que não nos vemos, não podemos nos encostar, ver seu sorriso, sentir seu cheiro, escutar sua doce voz. A saudade só aumenta.

Mas ontem estava refletindo um pouco sobre a saudade. Pensei no quanto você, Paulinho, deve estar feliz ao lado do Pai, sem doenças, hospitais ou qualquer outro sofrimento. Reparei que a saudade é um sentimento às vezes muito egoísta. Não que seja algo errado, mas algo humano de quem ama com tanta intensidade que deseja estar sempre perto.

Em meio a tanta luta por poder, tanta injustiça, tanta maldade que vejo no meu dia a dia, mais perto de mim do que gostaria, tenho em seu exemplo que a vida tem que ser vivida com muito amor, não importa a dor que estejam nos causando. Que perdoar, sorrir, superar e a fé em Deus devem estar acima de qualquer problema.

Tem pouco tempo que nos deixou e não tenho expectativas de que com o passar do tempo me acostume com sua ausência, sei que a saudade só aumentará, mas me acalma a certeza de que podemos ter nosso reencontro, num lugar melhor que esse aqui.

Hoje queria agradecer a Deus por ter sido seu pai, por ter a oportunidade de acordar e escutar sua doce voz, por ter sido meu professor, por me ensinar a lutar sem desistir, por me ensinar a amar incondicionalmente, por entender o sentido da palavra pureza.

Seguirei caminhando com sua mãe e seus irmãos, lutando por mais igualdade, mais justiça, mais amor assim como você sempre nos pedia.

Não há um só dia que não pense em você! Como você falava: “Amor pra sempre”. Te amo filho.

#gratidão #amor #JuntosPeloPaulinho

Sobre o Autor

Author
Octavio Fernandes
Analista de Sistemas acabei extrapolando um pouco meus horizontes. Gosto de observar e analisar tudo que vejo, ouço e sinto. Acredito que a vida é muito mais que estudar, trabalhar, ganhar dinheiro... a vida é para ser curtida em todos os momentos, até nos mais difícieis! E olha que disso entendo...